METODOLOGIAS DE INTERVENçãO SóCIO AMBIENTAL
Código: 22222
ECTS: 6
Departamento: Departamento de Ciências e Tecnologia
Área Científica: Sociologia
Palavras-Chave:
    Metodologias
    Cidadania ambiental
    Participação
    Intervenção
Docente:
Maria de Fátima Alves
Área Científica: Sociologia.
Correio Eletrónico: fatimaa@uab.pt

Sinopse:

A unidade curricular Metodologias da Intervenção Sócio Ambiental centra-se na análise e leitura crítica das teorias e metodologias de investigação e de intervenção no contexto da questão sócio ambiental. Procura situar historicamente e compreender as grandes questões teórico-metodológicas e epistemológicas que atravessam as sociedades contemporâneas, tendo por base a questão das desigualdades ambientais e os desafios da democracia participativa.
Procura promover uma consciência crítica quanto à complexidade do objeto de estudo, nomeadamente trabalhando a dimensão social e cultural das questões ecológicas e da natureza. Procura igualmente evidenciar os desafios metodológicos e epistemológicos que coloca a produção de conhecimento e de intervenção em contextos ambientais onde a cidadania e participação se assume como um vector simultaneamente analítico e interventivo.



Competências:

Espera-se que cada mestrando/a desenvolva as seguintes competências: 1. Apresentar e analisar de forma critica as grandes linhas do pensamento sociológico, historicamente situado, por relação às questões teórico-metodológicas no contexto da questão ambiental; 2.Perspectivar a cidadania ambiental e a participação enquanto fenómeno que se articula intimamente com outros fenómenos que compõem a estrutura e as dinâmicas sociais e culturais (quer do ponto de vista do conhecimento, quer do ponto de vista da intervenção); 3.  Equacionar a questão ambiental ao nível macro, meso e micro, identificando as necessidades, potencialidades e recursos em contextos específicos e formular propostas de intervenção, mobilizando metodologias ativas de investigação e intervenção.



Conteúdos:

1. Panorâmica geral.
2. O mundo no início do século XXI- Um local «multiescalar» a conhecer e avaliar. (a) O contexto - desigualdades e globalização; (b) Da regulação à emancipação social - entre o estado, o mercado e a comunidade; (c) Epistemologias plurais; (d) A justiça Global e a Ecologia de saberes; (e) O contexto Português: A semiperiferia do sistema mundial.
3.  Intervenção Social e Ambiente. (a) Que desafios metodológicos coloca a questão ambiental? (b) Participação, intervenção social e intervenção cívica; (c)A questão ambiental como problema social complexo; (d)A questão das Escalas e das dimensões de análise (macro, meso e micro); (e) Atitudes e comportamentos ambientais - o paradoxo de Giddens.
4. Metodologias Participativas. (a) Questões teóricas prévias; (b) Perspetivas teórico-metodológicas qualitativas; (c) As metodologias participativas: investigação-ação – desafios e potencialidades; (d) Problemas de conhecimento; (e) Problemas de intervenção; (f) A cidadania participativa – os sujeitos enquanto atores e investigadores; (g) Experiencias práticas.



Bibliografia:

•Burguess, R.G. (1997) A pesquisa de terreno: Uma introdução. Lisboa: Celta.
•Carmo, H. (1997) Ensino superior a distância, Lisboa, Universidade Aberta, pp 77-94; 94-107; e 116-137
•Carmo, H. (1998) Desenvolvimento Comunitário, Universidade Aberta, pp. 33-42
•Carreira da Silva, F. (2001). Habermas e a esfera pública: Reconstruindo a História de uma Ideia, in SOCIOLOGIA, PROBLEMAS E PRÁTICAS, n.º 35, , pp. 117-138.
•Esteves, A. J. (1987). A investigação-Acção In A. S. e PINTO, J. M. Metodologia das Ciências Sociais. Porto: Edições Afrontamento, pp 251-278.
•Lahire, B. (2005). Patrimónios Individuais de Disposições, Para uma sociologia à escala individual in SOCIOLOGIA, PROBLEMAS E PRÁTICAS, n.º 49, pp. 11-42.
•Flick, U. (2005) Métodos Qualitativos na Investigação Científica, Lisboa, Monitor.
•Kallis,.G.; Videira, N., Antunes; P., Pereira; A.G., Clive L Spash, Coccossis, H., Quintana, S.C., Moral, L., Hatzilacou, D., Lobo, G., Mexa, A., Paneque, P., Mateos, P.B., Santos, R. (2006). Participatory methods for water resources planning in Environment and Planning C: Government and Policy, 24: 215-234.
•Guerra, I. (2006) Pesquisa Qualitativa e Análise de Conteúdo. Sentidos e formas de uso, São João do Estoril, Principia.
•LESSARD-HÉBERT, M. ; GOYETTE, G. ; BOUTIN, G. (1994) Investigação qualitativa, fundamentos e práticas. Lisboa: Instituto Piaget.
•Lima.L; Cabral; M.V.; Vala, J.; Ramos, A. (Org), (S/D). Atitudes Sociais dos Portugueses-Ambiente e desenvolvimento. Ed
•Mendes, J. M.; Tavares, A. O. (2012) Risco, Vulnerabilidade Social e Cidadania. Revista Crítica de Ciências Sociais, 93.
•Mendes, J.M.; A.O. Tavares; S. Freiria; L. Cunha (2010) Social vulnerability to natural and technological hazards: The relevance of scale in Guedes Soares & Martorell (eds.) Reliability, Risk and Safety: Theory and Applications – Briš, Taylor & Francis Group, London, ISBN 978-0-415-55509-8
•Queirós, M. (2003) Questões para uma agenda contemporânea do desenvolvimento sustentável. Revista da Faculdade de letras – Geografia – I Série, vol. XIX, Porto, pp. 331-343
•Santos, B.S. (1985) "Estado e Sociedade na Semiperiferia do Sistema Mundial: o Caso Português", Análise Social, 87/88/89, 869-901.
•Santos, B.S. (1997) "Por uma concepção multicultural de direitos humanos ", Revista Crítica de Ciências Sociais, 48, 11-32.
•Santos, B.S. (1991), "Subjectividade, Cidadania e Emancipação", Revista Crítica de Ciências Sociais, 32.
•Santos, B.S. (2005) "The Future of the World Social Forum: The Work of Translation", Development, 48, 2: 15-22.
•Santos, B.S. (2006) "Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências", in Barreira, César (Ed.), Sociologia e Conhecimento além das Fronteiras. Porto Alegre: Tomo Editorial.
•Santos, B.S. (2007) "Para além do Pensamento Abissal: Das linhas globais a uma ecologia de saberes", Revista Crítica de Ciências Sociais, 78: 3-46.
•Santos, B.S. (2011-12) "Introducción: las epistemologías del Sur" in CIDOB (org.), Formas-Otras. Saber, nombrar, narrar, hacer. Barcelona: CIDOB Ediciones, 9-22.
•Schneider, D. W. (2000) Local Knowledge, Environmental Politics, and the Founding of Ecology in the United States Stephen Forbes and "The Lake as a Microcosm" (1887) By Isis, 91:681-705 by The History of Science Society.
•Silva, A. S. (1987) A Ruptura com o senso comum nas ciências sociais. In A. S. e PINTO, J. M. Metodologia das Ciências Sociais. Porto: Edições Afrontamento, pp.30-53
•Silva, L.; Alves, F. (2011) Compreender as racionalidades leigas sobre saúde e doença, in Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 21 (4): 1207-1229.


 



Total de Horas de Trabalho: 156
Total de Horas de Contacto: 26

Avaliação:
A avaliação tem caráter individual e implica a coexistência de duas modalidades: avaliação contínua (60%) e avaliação final (40%). Essa avaliação será desenvolvida na aplicação de formas diversificadas, definidas no Contrato de Aprendizagem da unidade curricular.