INTERVENçãO SOCIAL E ENVELHECIMENTO
Código: 41113
ECTS: 6
Departamento: Departamento de Ciências Sociais e de Gestão
Área Científica: Política Social
Palavras-Chave:
    Envelhecimento
    Velhice como construção social
    Políticas sociais
Docente:
Helena Mafalda Martins Teles
Área Científica: Serviço Social
Correio Eletrónico: helena.teles@uab.pt

Sinopse:
A unidade curricular tem como objetivo a compreensão do envelhecimento a partir da sua desconstrução conceptual. No contexto das sociedades contemporâneas, são particularmente valorizadas as dimensões sociais e culturais do envelhecimento. Neste sentido, é dado a conhecer, de forma genérica, os mecanismos de envelhecimento, dos pontos de vista biológico, psicológico e demográfico. Identificam-se as políticas sociais do envelhecimento e estimula-se a compreensão das respostas sociais. Há ainda a preocupação de providenciar ferramentas analíticas aos/às estudantes para um entendimento da complexa realidade do envelhecimento, que de forma paradoxal deixa perceber este fenómeno como um notável progresso social, em larga medida da responsabilidade das politicas sociais vigentes, mas que poderá pôr causa equilíbrios financeiros e institucionais sustentados por essas mesmas políticas. Investe-se, assim, na procura de um entendimento desta realidade e dos desafios que se impõem às sociedades na sua organização e modos de vida. Neste sentido, são apresentados conhecimentos teórico-práticos do quotidiano da intervenção social no envelhecimento e são providenciadas ferramentas, com o objetivo de aproximar os/as estudantes à prática.


Competências:

Pretende-se que, no final desta Unidade Curricular, o estudante tenha adquirido as seguintes competências:
•    Conhecer de uma forma geral os mecanismos de envelhecimento biológico e psicológico;
•    Conhecer os aspetos demográficos do envelhecimento da população sociedade contemporânea e, em particular, da realidade portuguesa;
•    Compreender o processo de envelhecimento na sociedade ocidental contemporânea e refletir sobre o envelhecimento enquanto processo de construção social e nas agendas políticas internacionais;
•    Conhecer e discutir as políticas sociais de velhice e o sistema de ação social e da saúde da realidade portuguesa e compreender os processo de intervenção no envelhecimento e com pessoas idosas.

 


Conteúdos:
•    Aspetos demográficos do Envelhecimento: Mecanismos do envelhecimento biológico e psicológico.
•    A sociedade e o envelhecimento: contexto histórico e social.
•    O envelhecimento nas agendas políticas e o desenvolvimento do conceito de envelhecimento ativo.    
•    Direitos das pessoas idosas e problemas associadas ao envelhecimento.
•    Políticas Sociais da velhice e intervenção social no sistema de ação social e da saúde.

 


Bibliografia:
Capucha, Luís (2005). Envelhecimento e políticas sociais: novos desafios aos sistemas de protecção: protecção contra o "risco de velhice": que risco?. Sociologia. Porto : Faculdade de Letras da Universidade do Porto. ISSN 0872-3419. XV (2005).

Carvalho, Maria Irene (2014). Serviço Social e Envelhecimento. Lisboa: Pactor
Carvalho, M. I. L. B.; Pinto, Carla. eds. (2014). Serviço social. Teorias e práticas ed. 1, 1 vol., ISBN: 978-989-693-040-0. Lisboa: Pactor. Capítulo associação de Alzheimer
Carvalho, M. I. (2013). Cartografia das Políticas de Combate à Violência em Idosos. Um Estudo Exploratório. Research on Ageing and Social Policy, 1(1), 54-76. doi: 10.4471/rasp.2013.03Carvalho, M. I. L. B.. (2011). "Violência sobre as pessoas idosas e Serviço Social", Revista Kairós Gerontologia, Brasil PUC-SP 14, 1: 43 - 64.

Camarano, a. a., Pasinato, M.Y. (s/d) o envelhecimento populacional na agenda das políticas públicas, pp. 253-291
Dias, Isabel (2012). O uso das tecnologias digitais entre os seniores: motivações e interesses Sociologia Problemas e práticas. p. 51-77
Dias, Isabel (2005) Envelhecimento e violência contra os idosos.
Correia,  J. Martins (2003) Introdução à Gerontologia, Lisboa, Universidade Aberta
Fernandes, Ana Alexandre. (2001) Velhice, solidariedades familiares e política social: itinerário de pesquisa em torno do aumento da esperança de vida https://www.researchgate.net/publication/262786292_Velhice_solidariedades_familiares_e_politica_social_itinerario_de_pesquisa_em_torno_do_aumento_da_esperanca_de_vida
ICS e FFMS (2013).  Processos do Envelhecimento em Portugal. Lisboa: FFMS e ICS
Lima, Antónia Pedroso (2010), Envelhecimento(s), Estado da Arte, Coimbra, Impressa da Universidade de Coimbra.
ONU (2002), International Plan of Action on Ageing 2002, in 2.ª Assembleia Mundial sobre o Envelhecimento. Madrid: 2002, p. 59.
Quaresma, M.L E Ribeirinho, C. (2016). Envelhecimento – Desafios do Séc. XXI Revista Kairós Gerontologia, 19(3), pp. 29-49. I
Rosa, Maria João Valente Rosa (2012), O envelhecimento da sociedade Portuguesa, Lisboa: FFMS.
Sequeira, Carlos (2007), Cuidar de Idosos Dependentes. Coimbra, Quarteto Editora, p. 310.
Viegas, Susana de Matos; Gomes, Catarina Antunes (2007), A Identidade na Velhice, Porto, Âmbar.
Almeida, Mariana (2007), «Envelhecimento: Activo? Bem-sucedido? Saudável? Possíveis coordenadas de análise…»Fórum Sociológico, nº 17, pp.17-24.

Carvalho, Maria Irene (2012), Envelhecimento e cuidados domiciliários em Instituições de solidariedade, Lisboa: Coisas de ler.
Figueiredo, Daniela (2007), Cuidados Familiares ao Idoso Dependente, Lisboa, Climepsi Editores.
Ribeiro, Óscar; Paúl, Constança (coord.) (2011), Manual de envelhecimento activo, Lisboa, Lidel.
Sousa, Liliana et al. (2004), Envelhecer em Família, Os Cuidados Familiares na Velhice. Porto, Ambar, p.171.
Teixeira Fernandes, A. (2005) Processos e estratégias de envelhecimento Sociologia: Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, vol. 15, pp.223-247 Universidade do Porto, Porto, Portugal

Durante as aulas serão indicados vários autores, revistas, artigos, links  específicos à temática da Intervenção no Envelhecimento de leitura obrigatória.

 



Total de Horas de Trabalho: 156
Total de Horas de Contacto: 15

Avaliação:
O regime de avaliação preferencial é o de avaliação contínua, constituída pela realização de 2/3 e-folios (trabalhos escritos em formato digital), ao longo do semestre letivo, e de um momento final de avaliação presencial (p-fólio), a ter lugar no final do semestre, com peso de, respetivamente, 40% e 60% na classificação final. Os estudantes podem, no entanto, em devido tempo, optar um único momento presencial de avaliação, realizando, então uma prova de Avaliação Final (exame) com o peso de 100%.


Observações:
Sempre que possível teremos uma aula Abert@
-  aula com um/a Técnico superior especializado na área da  Gerontologia (ou outro profissional que trabalhe com idosos).