A LEITURA NA ADOLESCêNCIA E NA JUVENTUDE
Código: 11002
ECTS: 6
Departamento: Departamento de Educação e Ensino a Distância
Área Científica: Ciências da Educação
Palavras-Chave:
    Promoção da leitura
    Jovens
Docente:
Rosa Maria Sequeira
Área Científica: Ciências da Educação e Comunicação Intercultural
Correio Eletrónico: rosa.sequeira@uab.pt

Sinopse:
Esta unidade curricular faz parte do Minor Educação e Leitura do curso de 1º ciclo em Educação. Os conteúdos programáticos intentam fornecer os conhecimentos e competências para os agentes educativos diagnosticar, planificar e intervir adequadamente nos seus contextos profissionais no que respeita à promoção da leitura junto do público jovem.
A Unidade 1 incide em conceitos fundamentais relacionados com a adolescência e juventude e as práticas culturais dos jovens. A Unidade 2 centra-se em diferentes estratégias que podem ser adotadas em diferentes contextos (formais e informais).
Na Unidade 3 é adotada em cada ano uma obra canónica de valor pedagógico para aplicação prática.
 


Competências:
 
  • Intervir de maneira informada em contextos educativos formais e não formais relacionados com a promoção da leitura junto de adolescentes e jovens;
  • Selecionar estratégias adequadas a uma atuação eficaz na área da educação literária e da promoção da leitura;
  • Desenvolver e avaliar materiais e recursos para uma intervenção adequada na área da leitura para a adolescência e juventude.


Conteúdos:

1.Literatura juvenil: conceitos, temas, géneros e problemáticasConceitos de adolescência e juventude
Estádios de desenvolvimento
Problemáticas da literatura juvenil
Temas, géneros e tendências do mercado editorial para a adolescência e juventude
Práticas culturais juvenis

2.Áreas e contextos de intervençãoA comunicação literária em contextos formais e não formais
O papel do mediador
Literatura juvenil e educação
Leitura digital e estratégias para a web

3.Literatura juvenil: leituras e aplicações(Em cada ano letivo é selecionada uma obra literária para aplicação e demonstração dos conteúdos programáticos da unidade curricular)
 


Bibliografia:
Aciman, A. & Rension, E. (2011). Twitteratura. Literatura universal em 140 caracteres (Tradução de Renata Ribeiro da Silva). Sanssouci:  Editora Carl Hanser.
Andersen, K. (2008). Canada’s Teen Reading Club, Victoria: Greater Victory Public Library,  pp. 1-.21 in: http://pt.scribd.com/doc/46423864/Teens-Reading-Club (acesso em 19/5/2013)
Cabral, N., Medeiros, T. & Fonseca, J. (2013). Adolescência  e educação para a cidadania. in T. Medeiros (coord.), Adolescência, Desafios e Riscos. Ponta Delgada: Letras levadas edições.
Cerrilho, P., Larrañaga, E. & Yubero, S. (2002). Libros, lectores y mediadores. Castilla La Mancha: Universidad de Castilla la Mancha.
Montesinos Ruiz, J. (2003). Necesidad y definición de la literatura juvenil. in CLIJ, 161, Barcelona,  pp. 28-36 in: http://www.educarm.es/templates/portal/ficheros/websDinamicas/154/827dabe7.pdf   (19/3/2017)
Sequeira, R. M. (2015). Literatura e cinema. O interesse educativo das produções pós-holocausto. in J. S. Ribeiro & C. E. Viana, Encontros de cinema, 3ª conferência internacional de cinema de Viana, pp. 59-65, in: http://hdl.handle.net/10400.2/5089 (17/3/2017)
Sequeira, R. M. (2010). Comunicar bem. Práticas e estruturas comunicativas. Lisboa: Fonte da palavra. 
Soares, M. e H. e Rezende, N. L. (2011). Literatura marginal-periférica e educação literária - a leitura e a escrita para além do cânone" in: http://200.17.141.110/periodicos/interdisciplinar/revistas/ARQ_INTER_13/INTER13_10.pdf (acesso em 11/3/2017)
Teles, M. L. (2010). A mediação da leitura literária na escola: uma lacuna a ser preenchida" in: http://revistadb.blogspot.com/2010/11/mediacao-da-leitura-literaria-na-escola.html (acesso em 2/3/2017)
Terra, M. R. (s/d), Os estádios de desenvolvimento da teoria de Paiget, in: http://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/d00005.htm (17/3/2017)


Metodologias de Ensino:

E-learning.




Total de Horas de Trabalho: 156
Total de Horas de Contacto: 15

Avaliação:
O regime de avaliação preferencial é o de avaliação contínua, constituída pela realização de 2/3 e-folios (trabalhos escritos em formato digital), ao longo do semestre letivo, e de um momento final de avaliação presencial (p-fólio), a ter lugar no final do semestre, com peso de, respetivamente, 40% e 60% na classificação final. Os estudantes podem, no entanto, em devido tempo, optar um único momento presencial de avaliação, realizando, então uma prova de Avaliação Final (exame) com o peso de 100%.